A Quinta

Quinta da Alorna A Quinta

A Quinta da Alorna nasceu em 1723, mais tarde D. Pedro de Almeida, o I Marquês de Alorna, após ter liderado a conquista da praça-forte de Alorna na Índia, conferiu à propriedade o nome que hoje tem.

Na margem do Rio Tejo e com a entrada marcada por uma árvore magnífica e rara no mundo, conhecida por bela sombra, a Quinta da Alorna destaca-se não só pela qualidade dos vinhos que produz como também pelos seus espaços naturais.

Com uma área total de 2.800 hectares, localizada no centro de Portugal, próxima de Santarém, a Quinta tem vindo a diversificar as suas áreas de negócio tendo como princípios a sustentabilidade, responsabilidade social e conservação da natureza.

Os Vinhos

Quinta da Alorna Os Vinhos

Os vinhos da Quinta da Alorna são feitos a partir de uma selecção das melhores castas e produzidos com recurso às novas tecnologias de vinificação.

Com 220 hectares de vinha que se divide entre castas como Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon, Alicante Bouschet, Arinto e Chardonnay, a Quinta da Alorna produz vinhos com a qualidade, excelência e competitividade que os mercados nacional e internacional, exigem.

Com uma produção média anual na ordem dos 1,85 milhões de litros, a Quinta da Alorna vende cerca de 50% da sua produção anual no mercado interno e exporta os restantes 50% para 25 mercados. Para o futuro, o objectivo consiste em aumentar o volume das exportações e manter a tendência positiva de crescimento.

A Componente Agrícola

Quinta da Alorna A Componente Agrícola

Toda a actividade da Quinta da Alorna assenta numa política adaptada às necessidades de mercado e direccionada para a qualificação, recorrendo a ferramentas de certificação agro-ambientais, procedimentos e normas que garantem a qualidade do produto, a protecção do ambiente e a segurança dos colaboradores.

A componente agrícola da Quinta da Alorna centra-se na produção de uva sendo que a cultura do milho, batata, ervilha e cebola representa um volume de produção relevante que tem como destino, essencialmente, a indústria.

Com 1.900 hectares de floresta, onde predomina o pinheiro, sobreiro e eucalipto, a Quinta da Alorna tem vindo a realizar, ao longo dos anos, um investimento considerável na conservação da fauna e flora.