Antes de partir para a Índia como vice-rei, D. Pedro de Almeida Portugal, 1º Marquês de Alorna, mandou construir em 1725 o palácio que viria a ser palco de grandes acontecimentos históricos e culturais que marcaram o Portugal que fomos e somos.

D. João, seu filho, e D. Leonor Távora, sua mulher, amaram o palácio e a propriedade como nenhuma outra nas suas vidas. D. João plantou vinhas, produziu azeite, criou pomares, bosques, e jardins de amoreiras. Copiando o modelo francês, imaginou pontes levadiças, lagos e buxos, tão em voga nas elites europeias. No final do século XVIII, a família Alorna viajava de barco, Tejo acima, demorando uma noite inteira de Lisboa até Almeirim, onde prontamente uma carruagem da casa os aguardava para os levar alameda acima até ao palácio.

Foi assim que chegaram à Quinta alguns dias após a libertação da família, que se viu presa dezoito anos por ordem do Marquês de Pombal, acusada injustamente de um suposto envolvimento no caso Távora. D. Leonor de Almeida Lorena e Lencastre tinha 26 anos de idade na altura em que regressou em liberdade com os seus pais, e acompanhada pelos seus irmãos Maria e Pedro, ao local que deixara aos oito anos, quando foi presa em Chelas. D. Leonor de Almeida, batizada poeticamente com o nome de Alcipe, casou em 1779 com Carlos Augusto d´Oeynhausen na ermida da Quinta de Alorna, e ali passou os primeiros tempos de casada, tendo organizado no seu palácio de Almeirim importantes saraus para a elite cultural portuguesa.

Mais tarde viajou para Paris, para Viena, para o sul de França, para Madrid, e finalmente para Londres, onde se viu exilada por ocasião das invasões francesas. D. Leonor, quarta Marquesa de Alorna, foi a mulher mais culta da sua época. Enquanto esteve presa em Chelas, aprendeu a falar cinco línguas com fluência, e leu todos os livros que conseguia fazer chegar, fossem eles proibidos ou não. Deslumbrou as cortes europeias com o seu talento poético, tendo sido a primeira escritora pré-romântica em Portugal. Mulher das letras e das luzes, mulher política que influenciou cortes portuguesas e estrangeiras, mulher ligada à educação, deve-se à sua persistência junto da rainha as primeiras escolas femininas em Portugal. Mulher desconcertante, inteligente, e muito à frente do seu tempo, deixou oito filhos e uma vastíssima produção literária e epistolar. Morreu em 1839, quando a Quinta, que atravessava uma débil situação financeira devastada pela guerra civil, é vendida pelas suas filhas a José Dias Leite Sampaio, Visconde da Junqueira, que investiu na produção de azeite, nos vinhos, e na pecuária.

A Sociedade Agrícola da Alorna nasceu em 1915, após o falecimento da Condessa da Junqueira, D. Emília Angélica Monteiro de Sampaio, filha do Visconde da Junqueira, que por não ter descendência acabou por permitir que a Quinta fosse herdada por seis parentes seus. Três anos mais tarde, em 1918, a propriedade foi adquirida por novos sócios, entre eles o médico dentista, e empresário, Dr. Manuel Caroça, que se tornou em pouco tempo no único dono da Quinta, adquirindo as quotas dos restantes sócios. Fernanda Caroça, sua filha, casou com o professor doutor Fausto Lopo de Carvalho, prestigiado médico pneumologista contemporâneo de Egas Moniz, que se encarregou da gestão da Quinta, conseguindo que voltasse à prosperidade dos tempos antigos. O casal teve três filhos que o avô, Manuel Caroça, tornou herdeiros da Quinta da Alorna ainda em vida.

A partir de 1945, após a sua morte, a propriedade passou a ser gerida inteiramente pela filha, genro, e netos. Mais tarde, no pós 25 de Abril, a Quinta da Alorna viveu momentos difíceis em que a força e a determinação dos trabalhadores, que viram as suas casas e sustento ameaçados, foram imprescindíveis para que a Quinta não fosse ocupada. Como empresa familiar que era, orgulhava-se de que todos faziam parte da mesma «família», bem como da política social, muito avançada para a época, que fazia gala em praticar: abriram-se as portas da capela, deram-se casas novas aos trabalhadores, e contratou-se um médico para zelar pela saúde de todos os que dedicavam o seu trabalho à propriedade e à família.

Actualmente, a Quinta da Alorna é composta por três empresas administradas pela quarta e quinta gerações da família Lopo de Carvalho. A Sociedade Agrícola da Alorna, que é detentora das outras empresas do grupo, foi constituída no início do Séc. XX e congrega em si as actividades agrícola e florestal. A Quinta da Alorna Vinhos é responsável pelo desenvolvimento da principal actividade do grupo, que consiste na produção e comercialização de vinhos. A Alornatur faz a gestão de duas lojas de vinhos próprias, uma em Lisboa e outra em Almeirim, e do Palácio da Quinta, que é utilizado para fins privados e promocionais.

Há cinco gerações na família Lopo de Carvalho, a Quinta da Alorna continua a ser a casa que se orgulha da sua tradição, da sua história, e dos seus produtos. Uma história cheia de histórias, ou não fosse a Marquesa de Alorna uma admirável contadora de histórias.