VINHOS POR DESCOBRIR

“Somos privilegiados, as nossas vinhas prosperam em solos que nos dão uma acidez natural única que se exprime em frescura aromática e sensorial.
Respeitamos o que a natureza nos dá e tentamos sempre alcançar  aquilo que é comum em todos os nossos vinhos – a elegância!” — MARTTA REIS SIMÕES

VINHOS POR DESCOBRIR

“Somos privilegiados, as nossas vinhas prosperam em solos que nos dão uma acidez natural única que se exprime em frescura aromática e sensorial.
Respeitamos o que a natureza nos dá e tentamos sempre alcançar aquilo que é comum em todos os nossos vinhos – a elegância!” — MARTTA REIS SIMÕES

MARQUESA DE ALORNA

Este vinho é uma homenagem a Leonor de Almeida Portugal de Lorena e Lencastre (1750-1839), quarta Marquesa de Alorna, poetisa portuguesa do Sec. XVIII, e uma das mais notáveis vozes do pré-romantismo em Portugal. Possuidora de uma esmerada cultura literária e científica, mulher ativa e interveniente na vida política e cultural, incentivou o aparecimento de novas ideias estéticas.

RESERVA

Este vinho resulta do desafio de aliar uma casta Portuguesa a uma casta Francesa, enaltecendo o melhor de cada uma.
A Quinta da Alorna pretende demonstrar o potencial do seu terroir criando vinhos únicos, autênticos e distintos.

MONOCASTA

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

COLHEITA

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

SOBREMESA

As uvas são deixadas na vinha até Outubro, altura em que são colhidas e prensadas cuidadosamente. O mosto entra em fermentação a temperatura controlada, sendo posteriormente interrompida pelo frio, resultando assim num vinho doce de cor dourada.

DESCUBRA OS

descobrir

QUINTA DA ALORNA

Situada na margem sul do Rio Tejo, perto de Santarém, e com a entrada marcada por um arbusto raro no mundo, conhecido por “Bela Sombra”, a Quinta da Alorna destaca-se não só pela qualidade dos vinhos que produz, mas também pelas suas práticas agrícola, florestais e dos seus espaços naturais.

Com uma área total de 2.800 hectares, divida em 160 ha de vinha, 500 ha dedicados a regadio e cerca de 1.900 ha de floresta.
Na área de regadio, atualmente produz integralmente para a indústria agroalimentar, sendo de destacar o milho, a batata, para a Matutano, o amendoim para a PepsiCo, as ervilhas para a Dardico e ainda batata-doce.
Na área silvícola tem montado de sobro, de onde retira a cortiça, pinhal manso, para produção de pinhão e eucaliptos para produção de pasta de papel.
Esta relevante área florestal ajuda igualmente a mitigar a emissões de dióxido de carbono para a atmosfera.
Adicionalmente, tem neste momento 6 centrais de produção de energia fotovoltaica na nossa propriedade.”

PRÁTICAS AMBIENTAIS E GESTÃO DE RECURSOS

O equilíbrio entre todas as atividades agrícolas e a natureza é fundamental para nós.

A Quinta da Alorna é uma empresa com uma longa tradição vitivinícola e que tem procurado acompanhar o passo da modernização através da qualificação e de práticas ambientais sustentáveis.
Toda a atividade da Quinta da Alorna assenta numa política direcionada para a qualificação, recorrendo a ferramentas de certificação agro-ambientais, procedimentos e normas que garantam a qualidade do produto, a proteção do ambiente e a segurança dos colaboradores.
Nos últimos anos temos vindo a reforçar o investimento em sondas que quantificam os níveis de humidade no solo com o objetivo de obter informação completa sob os vários parâmetros referentes à atividade agrícola e vitícola.
Investimos igualmente em variadores de velocidade e caudalimetros bem como na manutenção constante nos aspersores dos pivots de rega de modo a conseguir controlar e monitorizar as dotações de rega e, assim, obter melhores resultados do ponto de vista da produção, mas também da economia de água e eletricidade.
Os aparelhos transmitem a informação recolhida, via rádio, para o servidor central que armazena e organiza os dados. Estes dados são determinantes para a tomada de decisões e contribuem para uma gestão mais eficiente dos recursos hídricos.
A Quinta da Alorna privilegia as boas práticas ambientais, levando a cabo diversos processos que permitem utilizar os recursos disponíveis da forma mais eficaz, protegendo o meio ambiente.
Tem vindo a pôr em prática a agricultura de precisão de modo a poder maximizar a produção com minimização dos recursos necessários, o que tem permitido aumentar produções por HA nos últimos anos, com consumo de menor quantidade de recursos.

TEJO

As nossas vinhas são fortemente influenciadas pelo rio que dá nome o seu à região – Tejo.

O Rio Tejo é responsável por moldar os terroirs da região, tornando as planícies ao seu redor ideais para cultivar uvas. A proximidade das nossas vinhas ao Rio Tejo, faz com que a amplitude térmica seja um fator fundamental na qualidade da uva. nosso caso o Tejo é sem dúvida o elemento dominante desta região, contribuindo de forma decisiva quer a nível dos vários terroirs quer a nível climático.
No caso da nossa região Tejo existem três terroirs distintos: charneca, bairro e campo.

SOLOS

O terroir consiste num conjunto de características (ambiente físico e biológico) que dão a identidade a cada região. A área da Quinta ocupa então a charneca e o campo.

O Campo situa-se nas extensas planícies adjacentes ao rio Tejo sujeitas a inundações periódicas. Estas são responsáveis pelo elevado índice de fertilidade dos solos e torna esta uma zona de excelência para a produção de vinhos brancos. A fertilidade natural da região obriga a uma viticultura de precisão.
A Charneca localiza-se a sul do campo, na margem esquerda do Rio Tejo, com solos arenosos e medianamente férteis tem potencialidades tanto para a produção de vinhos tintos como vinhos brancos.

VINDIMA

De todas as decisões que a equipa de enologia tem de tomar, provavelmente, a mais importante é o momento certo para colher as uvas, isto porque a vindima precoce ou tardia influência diretamente a qualidade e características do vinho que se vai produzir.

Antes mesmo de chegarmos à receção das uvas temos o controlo de maturação e o processo de decisão de vindima.
A nossa vindima é feita de duas formas: manual e mecânica. As uvas são colhidas por castas e em momentos diferentes por influência da sua maturação, do solo onde estão plantadas e das condições meteorológicas às quais estão sujeitas ao longo do ano. Um dos objetivos da vindima é evitar a oxidação, por esse motivo o processo deve ser rápido e num horário em que as temperaturas sejam mais amenas.